Qual a máscara que escolhes quando te levantas?


Nestes dias de Carnaval, muito se fala em máscaras...

Muitos dizem que são disfarces...

Será que são realmente disfarces?


Acredito que muitas das vezes, são nestes dias que muitas pessoas deixam realmente que a sua verdadeira essência venha ao de cima, sem medo de ser julgado ou não aceite, pois "tudo" é permitido nestes dias.


Mas na verdade, não é só no Carnaval que usamos máscaras.

Ao longo da nossa vida, usamos muitas máscaras que são necessárias e que nos ajudam a nos adaptarmos à sociedade, às exigências do meio social onde se vive e ás diversas situações do dia-a-dia. É a forma, como cada pessoa, se mostra ao mundo, é o carácter que assume perante os outros, é como se relaciona com os outros, como por exemplo a máscara de pai/mãe, filho/filha, colega de trabalho, chefe, amigo/amiga, professor/professora, aluno/aluna.


Por outro lado,também há as máscaras de protecção emocional para nos protegermos de por exemplo, da fragilidade, da tristeza, da rejeição, do abandono, da fraqueza, da baixa auto-estima, do medo...


Há também, as máscaras que são utilizadas para divertimento no teatro, filmes ou no Carnaval.

E ainda as que se utilizam para a segurança em algumas profissões como por exemplo na área de saúde: médicos, enfermeiros, cirurgiões, dentistas,..., na área da construção, os serralheiros, soldadores, pintores,..., esses usam as máscaras para evitar difundir doenças, acidentes, etc...


Todas elas têm a sua utilidade e são importantes para os seus fins, mas hoje, o meu objectivo é falar das máscaras emocionais.


O que são afinal as máscaras emocionais?

Na psicologia analítica de Jung, o termo técnico destas máscaras têm o nome de Persona (que tem origem do latim, e que se refere às máscaras usadas pelos actores no drama grego para dar significado aos papéis que representavam).

Para Jung, Persona, é a face social que o indivíduo apresenta ao mundo de forma a dissimular a verdadeira natureza do mesmo, pois ele percebeu que nós agimos de maneira diferente em cada ambiente social, onde precisamos ser aceites para pertencer ao grupo, e que para tal, temos que nos adaptar à circunstância do momento.


Como exemplo: Na escola, eu sou aluno(a) e quero mostrar aos meus professores que presto atenção, não converso, não falto, tiro boas notas; em casa eu sou filho(a), tenho que respeitar a minha mãe, ajudar com alguns coisas em casa; com minha/meu namorada(o) tento ser perfeito(a) em todos aspectos; no trabalho, tenho que fazer as minhas tarefas, respeitar os meus colegas e chefes...

Cada um destes papéis é uma persona, uma máscara para o "meu eu" tentar atingir o objectivo de ser bem visto e aceite perante os outros.


Na realidade, são distorções da nossa personalidade que temos que construir para sobreviver ás diversas situações da vida. Desenvolver uma persona/máscara social viável é uma parte vital para se adaptar e preparar-se para a vida adulta no mundo social externo e como tal, ao longo da vida, muitas personas/máscaras serão usadas e muitas podem ser combinadas a qualquer altura.

Começamos a desenvolver as nossas máscaras/personas muito cedo, pois, com o convívio entre adultos (familiares: pai, mãe, irmão, tios, tias, amigos, professores, etc), as crianças são expostas a situações e emoções que lhe causarão sofrimento. Quando, por exemplo, a criança vê que as pessoas não a aceitam como ela é, procurara reduzir a dor da não aceitação. Para isso, a criança poderá então resignar-se e cria uma personalidade (máscara). Ela faz isso para poder sobreviver, para ser o que os outros querem que ela seja e assim sentir-se aceite.

Com isto, a criança passa a usar uma máscara de personalidade para proteger a sua real identidade, de forma a evitar o sofrimento imediato... e se ao longo da vida, continuar a usar essa máscara, poderá perder a sua verdadeira identidade e se assim for, em algumas situações poderá ter conseguido evitar o sofrimento imediato, mas na realidade não o evitou, mas sim "camuflou", com a máscara e mais tarde, este sofrimento irá surgir. Ao crescermos, continuamos a utilizar esse mecanismo (máscaras) para tentar sobreviver perante as situações da vida como: rejeição, abandono, humilhação, traição, injustiça, entre outras. Sempre, que acontece uma situação que nos deixa insatisfeitos utilizamos as máscaras que aprendemos na nossa infância. Isso é algo comum a todos os seres humanos e faz-se de forma inconsciente, ou seja, são reacções para as acções da vida.

A questão é quando essas máscaras tomam conta das nossas vidas e, em algumas pessoas isso acontece e a vida poderá deixar de ter sentido, ser uma vida superficial e sem contacto com a sua vida interior e até pode ser considerado um distúrbio da personalidade.


Para que as máscaras/personas não tomem conta da tua vida, é necessário identificá-las.

Normalmente e principalmente quando se está a iniciar este processo de auto-descoberta, não é fácil identificá-las e muitas vezes até já as interiorizamos, de tal forma, que achamos que é a nossa verdadeira identidade... mas na realidade não é.


Uma forma de começares a identificar, é pensares nas tuas necessidades emocionais.

Sabes quais são?

Vou dar-te um exemplo, de uma das mais comuns, a qual é a necessidade de sentirmos o reconhecimento e a aprovação dos outros. E para obter esse reconhecimento e aprovação, começa-se por agradar os pais... depois os professores, amigos, cônjuges, chefes... sempre com a necessidade de ser aceite e amado(a).

E sempre que a necessidade não é totalmente satisfeita, a máscara irá fortalecer-se, numa procura externa, incessante e frustrante...

Pode acontecer, que a pessoa integre em si a persona/máscara de tal forma que a viva inteiramente, ao ponto de deixar de viver o que realmente é. Exemplo: um Tenente da policial que vive essa persona em todas as áreas da sua vida, ou seja, para além de a usar na sua vida profissional, em casa ele trata a sua família como se estivesse num quartel general com regras, punições e tudo o mais...


Mencionei aqui alguns exemplo negativos e podes estar a pensar que as máscaras/personas, só têm aspectos negativos, mas não, muito pelo contrário. O positivo está associado à possibilidade de adaptação de cada pessoa ao seu meio social. É importante, ter consciência que todos nós temos máscaras e que são essenciais para o nosso bem-estar, para o nosso equilíbrio, para o nosso convívio em sociedade, para a nossa comunicação. Mas, a maior parte das pessoas não se apercebe disso, ou seja, não reconhecem que têm várias máscaras/personas... mas é muito importante reconhece-las.

O saber que se tem é muito importante, mas também o é, saber qual delas usar nas diversas situações do dia-a-dia.


Para reconheceres e detectares as máscaras que utilizas nas diversas situações da tua vida, é importante fazeres uma análise, de forma a tornar consciente as situações que são inconscientes. Auto-analisares os teus comportamentos perante as situações.

Quanto mais consciente te tornares de quem és verdadeiramente, e das tuas necessidades emocionais, através do teu auto-conhecimento, menor será a necessidade de utilizares as máscaras/personas.

Mas, relembro que há o lado positivo e como tal, deves continuar a usar, porque sem máscara/persona, a pessoa não será aceite pela sociedade, não conseguirá relacionar-se com algumas pessoas nem viver em determinados ambientes, pois não conseguirá adaptar-se às circunstâncias, não estará receptiva para novas posturas e pontos de vista.

Então, o importante e o que será mais benéfico é fazeres uma escolha consciente das máscaras/personas, a utilizares em cada uma das situações, e com essa escolha mais consciente e utilização moderada, de certeza que sentirás diferença do impacto dos acontecimentos.


Este é um processo de auto-conhecimento que não acontece de uma dia para o outro, pois nenhuma dor e máscara/persona aparece ou desaparece de repente, mas se trabalhares no teu auto-conhecimento e auto-desenvolvimento pessoal e emocional, certamente irás conseguir. Claro, que poderá haver momentos que precisarás de ajuda para te entenderem e continuares esse processo, pois são passos desafiantes e que poderão representar grandes mudanças na tua vida. Para estudares e entenderes as tuas máscaras/personas e como elas agem em ti é preciso tempo, determinação e desejo de mudança... e se tu, ainda, estás a ler este texto eu acredito que tu tens tudo isso... por isso... boa determinação para venceres mais este desafio que te proponho... que é identificares pelo menos uma das tuas máscaras.

Caso queiras partilhar, estás à vontade...

Para finalizar, transcrevo aqui um texto de Gilbert Brenson Lazan:

"Máscaras

Cada vez que ponho uma máscara para esconder a minha realidade, fingindo ser o que não sou, fingindo não ser o que sou, faço-o para atrair o outro e logo descubro que só atraio a outros mascarados distanciando-se dos outros devido a um estorvo: a máscara. Faço-o para evitar que os outros vejam as minhas debilidades e logo descubro que, ao não verem a minha humanidade, os outros não me podem querer pelo que sou, senão pela máscara. Faço-o para preservar as minhas amizades e logo descubro que, quando perco um amigo, por ter sido autêntico, realmente ele não era meu amigo, e, sim, da máscara. Faço-o para evitar ofender alguém e ser diplomático e logo descubro que aquilo que mais ofende às pessoas, das quais quero ser mais íntimo, é a máscara. Faço-o convencido de que é o melhor que posso fazer para ser amado e logo descubro o triste paradoxo: o que mais desejo obter com as minhas máscaras é, precisamente, o que não consigo com elas."

Tudo de magnífico para ti.
Dora Alcaria
Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
  • Facebook Basic Square
  • Instagram
  • Twitter Basic Square
  • LinkedIn ícone social
Follow Us

Para mais Informações ou marcação:

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • Twitter ícone social
  • LinkedIn ícone social

Todos os direitos reservados a Dora Alcaria

Livro de reclamações.jpg